– Luiz Carlos Freitas

Certos diretores muitas vezes nem chegam a ter noção do alcance de algumas de suas obras. Ou será que Frank Darabont imaginaria que o seu primeiro trabalho na direção, uma trama de assassinato e vingança feita por encomenda para a TV, e que nem mesmo chegou a ser lançado DVD, alcançaria o status de cult algum dia? Bem, isso pode até não ser consenso entre o meio cinéfilo como um todo, mas os mais saudosistas irão concordar que, nos bons tempos em que a TV aberta ainda tinha algo a nos oferecer, as inúmeras reprises nas tardes (Cinema em Casa) e noites de Domingo (a finada ‘Sessão das Dez’) no SBT, fizeram de Sepultado Vivo um pequeno clássico para muitos.

O filme tem um argumento bem simples, com uma mulher ambiciosa que envenena o marido com a ajuda do amante (que é médico) para ficar com a sua fortuna. Porém, o veneno não é tão eficaz quanto se espera e o homem tem a “sorte” de despertar após ser dado como morto. Só que isso acontece com ele já dentro do caixão, depois de ter sido enterrado. Como a vadia de sua esposa quis economizar até no velório, o comprou um caixão de madeira estragada, o que acaba facilitando para que ele consiga escapar (na base da porrada).

O roteiro é básico e ‘redondinho’, e se não se preocupa em explicar muita coisa (por exemplo, por que ele não morreu? Por que o veneno – apresentado como extremamente fatal – falhou?), também não deixa pontas soltas. Boa parte da força vem mesmo do trio que encabeça o elenco e é focado na maior parte da projeção, Tim Matheson e Jennifer Jason Leigh, respectivamente marido e esposa, ainda engatando no início de suas carreiras, e William Atherton no papel do filho da mãe sedutor e sem caráter (pela ducentésima vez em sua carreira). Aliás, o personagem dele é de longe o mais interessante. Suas falas e feições carregadas de cinismo rendem alguns dos melhores momentos.

Mas o grande trunfo, sem dúvidas, era o então estreante Frank Darabont. Com alguma experiência no universo do terror, co-roteirizando A Bolha Assassina e A Hora do Pesadelo III, ambos de Chuck Russel, também admitiu ser um grande fã de Alfred Hitchcock e do universo dos filmes de terror “B” da década de 50 (tanto que seu último trabalho, O Nevoeiro, é uma clara homenagem a esse tipo de filme). Sem muitas firulas, ele consegue conduzir o filme de forma segura, com um clima de suspense que é mantido até os últimos minutos,  construindo alguns bons momentos de tensão, como quando ele “desperta” embaixo da terra, cavando com as mãos para sair antes de morrer soterrado, ou o clímax final, onde há o tão esperado acerto de contas na grande “casa-caixão”.

O filme, certo tempo após lançado, ainda teve seu título inexplicavelmente mudado para o extremamente imbecil Morto Mas Nem Tanto, não chegando a ser lançado em DVD, e restando atualmente no máximo algumas fitas VHS nas mãos de colecionadores. Aliás, provavelmente, Sepultado Vivo não mudou a vida de ninguém (como dito, talvez nem mesmo seus realizadores lembrem muito bem dele). Mas, assim como eu, muitos certamente o guardam na memória com um grande apreço e prova definitiva de que houveram, sim, bons tempos aonde a TV aberta ainda poderia ser considerada um sinônimo de diversão de qualidade.

.

3/5

Sepultado Vivo / Morto Mas Nem Tanto (Buried Alive) – EUA, 1990 – Direção: Frank Darabont – Elenco: Tim Matheson, Jennifer Jason Leigh, William Atherton, Hoyt Axton, Jay Gerber

– por Luiz Carlos Freitas

Brian De Palma é um grande diretor, dos mais subestimados entre os americanos de sua geração, com grandes filmes que, se não desmerecidos e rebaixados (Fogueira das Vaidades, Femme Fatale, Olhos de Serpente), sofrem pelo puro desconhecimento por parte do público em geral, como Irmãs Diabólicas, A Fúria, Trágica Obsessão, Síndrome de Caim e Fantasma do Paraíso. Porém, o inverso também ocorre, e Scarface é o maior representante da superestimação em sua carreira.

Lançado em 1983, logo após o sucesso de Um Tiro na Noite, o filme narra a trajetória de Tony Montana, um imigrante ilegal cubano nos EUA que, de forma meteórica, ascende a líder do tráfico de drogas local. No meio do caminho, confronta-se com grandes traficantes internacionais, sofre algumas tentativas de homicídio, tenta pegar a mulher do chefe e até se envolve em uma trama de assassinato a um diplomata.

Como esse plot bem faz parecer, tudo compreendido entre os longos 170min de projeção de Scarface é exagerado, a começar pela atuação do seu protagonista, Al Pacino, provavelmente no papel mais over de sua carreira, cheio de cacoetes e falas berrantes (além do sotaque forçado) que, de tão caricato, beira o cômico em alguns momentos. E aos que defendem os excessos como “necessários” à construção da imagem ameaçadora do gangster, recomendo Anjos da Cara Suja, de Michael Curtiz. James Cagney coloca Pacino quietinho no canto da parede e ainda nos deixa de calças borradas, e tudo isso sem precisar ficar retorcendo a cara o tempo todo (só eu ou mais alguém lembrou do famigerado Tripa Seca com as caretas do Montana?).

Mas como não encontrar exageros nos filmes do De Palma? O excesso e, principalmente, o modo como subverte isso a seu favor, são algumas de suas marcas registradas (apesar de nem sempre corresponder como deveria). Aqui, pelo menos visualmente, tudo se encaixa perfeitamente. Temos a fotografia de John A. Alonzo (responsável também por Chinatown), carregada de cores berrantes e espalhafatosas, tão bregas quanto personagem e diretor (ainda estou elogiando-o), além das primorosas sequências de ação já características de sua carreira. O tão citado tiroteio final, realmente é brilhante (a panorâmica do corpo boiando na piscina ao final vale o filme), a cena mais referenciada do filme e certamente uma das mais memoráveis do cinema. Há também a perseguição ao carro com a bomba, onde De Palma mostra que sabe brincar com nossos nervos como poucos (e o assassinato no helicóptero – mais um de seus ótimos exercícios de sadismo).

Quanto à crítica, o filme também não se reserva dos extremos, sendo um dos grandes representantes do “ame ou odeie”. À época de lançamento, os veículos especializados cairam matando com a violência contida na obra. Cenas como a da tortura com uma motossera ou de Pacino cheirando uma montanha de cocaína horrorizaram o público, além dos diálogos excessivamente machistas (“Ela passa a metade da vida se vestindo e a outra tirando a roupa!”), comentários racistas (termos como “macaco latino” eram ditos a rodo) e, não bastando isso, ainda uma possível relação incestuosa entre Tony e sua irmã Gina (Mary Elizabeth Mastrantonio), renderam a De Palma e seu roteirista (Oliver Stone marotão) os títulos de disseminadores da violência, criminalidade, misoginia e alguns outros atributos menos honrosos.

Mas, na mesma proporção em que foi limado, Tony Montana se tornou ícone, arrebatando seguidores por todo o mundo, alçando o filme ao status de cult. A violência descabida e palavreado chulo (até o lançamento de Pulp Fiction e Os Bons Companheiros, esse foi o filme com o maior número de repetições da palavra “fuck”) o colocaram como sinônimo de atitude e personalidade, além, é claro, de virilidade. A frase “Say hello to my little friend!” dita no final ficou eternizada. Muitos o vêem como uma “analogia complexa à busca pela consolidação do Sonho Americano”.

Todavia, Scarface não se mostra digno de nenhuma das duas vertentes, estando tão longe de ser o sinal da chegada do Apocalipse cinematográfico, como pregam os mais moralistas e sensíveis, quanto do posto de obra-prima complexa e revolucionária de seus mais fervorosos fãs. Há crítica social? Sim, sim. Mas explorada de forma bem rasa. De muito se fala (imigração ilegal, drogas, violência, corrupção), mas pouco realmente se diz a respeito. O roteiro de Oliver Stone é competente ao contar a saga do anti-herói, mas não se aprofunda em nenhum dos assuntos que discute, fazendo o célebre “O mundo é seu!” ao final soar vago. À certa altura do longa, tudo parece mais um mero pretexto para Montana coçar o saco, falar palavrões e matar pessoas.

Nada contra, mas esse subaproveitamento do tema soa bem decepcionante para um encontro de grandes nomes do cinema que prometia tanto, ainda mais se compararmos com o clássico original de 1932, Scarface – A Vergonha de uma Nação, dirigido por Howard Hawks, esse sim uma verdadeira obra-prima (apesar dos dois filmes não terem muita coisa em comum).

Claro, para o bem ou para o mal, Scarface mudou a vida e o modo de ver cinema de muita gente. Para mim, infelizmente, ficou no meio do caminho.
.

3/5

Scarface (Idem) – EUA, 1983 – Dir.: Brian De Palma – Elenco: Al Pacino, Steven Bauer, Michelle Pfeiffer, Mary Elizabeth Mastrantonio, Robert Loggia, Miriam Colon, F. Murray Abraham, Paul Shenar, Harris Yulin, Ángel Salazar, Arnaldo Santana, Pepe Serna, Michael P. Moran, Al Israel, Dennis Holahan