por Bernardo Brum

A não ser que você seja extremamente careta, The Runaways é um filme bem básico e despretensioso, que não fere ninguém (a não ser Lita Ford, que provavelmente deve ter ficado bem fula da vida por ser retratada como uma coadjuvante na história toda que, quando se manifestava, era como uma verdadeira evil bitch…).

Basicamente, segue a mesma fórmula de Ray, Johnny e June, A Fera do Rock e demais filmes sobre as grandes personalidades da música: a pindaíba antes do sucesso, as inovações conceituais-estéticas que trouxeram, o pico da fama, os amores, as drogas, a crise, a decadência… E a volta por cima. Mesmo os leigos já testemunharam essa fábula de glória, decadência e superação mais de dez, vinte ou trinta vezes.

E novamente ela é repetida aqui – com a diferença que ao invés de abordar um ícone que todo mundo conhece o alvo foram as Runaways, musas undergrounds que ao montar uma banda de hard rock só de garotas, foram tremendamente influentes – seu legado para a posterioridade influenciou a maioria das mulheres que fazem rock nos dias de hoje. Bem mais que apenas o vozeirão de Janis Joplin, as garotas eram música, atitude, visual e estilo de vida; tudo orquestrado e vendido genialmente pelo produtor (e pedófilo de macaco) Kim Fowley – aqui vivido de forma muito divertida por Michael Shannon – tornando as noviças rebeldes, freqüentadoras de boate e com problemas de família em roqueiras más e badass.

O erotismo constante das suas letras, o figurino ousado de Cherie Currie  (que já se apresentou só de lingerie) e a atitude “macha” e agressiva de Joan Jett transformaram a banda em uma lenda. O filme, por ser baseado na autobiografia de Cherie, não recria a lenda por inteiro;  apenas dois anos loucos e intensos vividos pela vocalista tendo que aguentar desde a hostilidade de machos chauvinistas que achavam que mulheres deveriam ser groupies, não formar uma banda até a egotrip estimulada por uma mania pela banda no Japão.

No meio tempo, tem chapação rolando solta, Dakota Fanning e Kirsten Stewart tendo um rendêvú e uns rocks da melhor estirpe, indo das próprias Runaways aos ícones Bowie e Iggy Pop. Fora a parte que me agrada como tarado profissional (Kirsten Stewart tocando guitarra, fazendo cara feia, simulando sexo com metade do elenco, acendendo um cigarro na guimba do outro e usando “fuck” como ponto final é demais para a minha libido resistir, afinal de contas), é o feijão com arroz de sempre. Mas com atrativos. E que beleza de atrativos, rapaz…

2/5

Ficha técnica: The Runaways – Garotas do Rock (The Runaways) – EUA, 2010. Dir: Floria Sigismondi. Elenco: Kristen Stewart, Dakota Fanning, Michael Shannon, Alia Shawkat


Anúncios