une affaire de femmes

– por Guilherme Bakunin

Drama da década de 80 dedicado a seus intérpretes, que realmente fazem um trabalho incrível, Um Assunto de Mulheres acompanha a ascensão financeira de Marie, interpretada por Isabelle Huppert. Casada, mãe de dois filhos, Marie começa a fazer abortos clandestinamente para ganhar dinheiro.

O trabalho de adaptação do romance de Francis Szpiner é mágico. Acompanha com uma imparcialidade chocante os personagens na decadente França ocupada pelos nazistas. O processo imparcial é consumado com sutileza por Claude Chabrol, em cenas como a chegada de Frank, marido de Marie, onde o espectador tende a receber com desconfiança – introduzida de forme leve por Huppert – o novo personagem, sentimento que invariavelmente muda conforme o desenvolver da história, já que Chabrol não mede esforços para desmanchar qualquer tipo de julgamento, objetivo que caso não tenha sido claro ao longo do filme torna-se evidente no final, que é nada menos que indescritível.

Tudo isso é fruto de uma sincronia entre as câmeras sempre direta de Chabrol e a boa e premiada perfomace de Huppert, musa absoluta do cinema. Um assunto de mulheres é um filme enxuto sobre dualidade em controvérsias. São abordados temas fortes como aborto, pena de morte, guerra. Trata também, ainda que de forma ampla, em segundo plano, de julgamentos, relação familiar. O filme foi ovacionado por festivais em toda a Europa, consolidou a volta de Chabrol à boa forma na direção e se estabeleceu, por sua qualidade e pelo talento do cinesta para narrar histórias, como um dos seus grandes filmes.

5/5

Ficha Técnica: Um assunto de mulheres (Une affaire de femmes) – 1988, França. Dir: Claude Chabrol. Elenco: Isabelle Huppert, François Cluzet, Nils Tevernier, Marie Trintignant.

Anúncios